Diálogos Israel-Palestina: Ocupação em pauta e o Brasil como mediador 

A possibilidade de envolvimento do Brasil nas negociações entre Israel e Palestina tem sido considerada. Foi mencionada, por exemplo, por Mohamed Odeh, presidente do Comitê Ibero-Americano do partido à frente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), o Fatah, durante a importante Conferência “Encontros e Diálogos entre Palestinos e Israelenses – Dilemas e Perspectivas nos Caminhos para a Paz”, que terminou no domingo (30).

Por Moara Crivelente | No Portal Vermelho

Na Palestina, o ex-presidente Lula e o então chanceler Celso Amorim assinam acordos de cooperação com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o chanceler Riad al-Maliki 


Na Palestina, o ex-presidente Lula e o então chanceler Celso Amorim assinam acordos de cooperação com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o chanceler Riad al-Maliki. Foto: Abbas Momani / AFP


Pouco depois da primeira Cúpula América do Sul-Países Árabes (Aspa), em 2005, o então chanceler brasileiro Celso Amorim visitou Israel. Reunido com seu homólogo Silvan Shalom, Amorim, que narra o encontro em seu livro “Teerã, Ramalá e Doha – Memórias da Política Externa Ativa e Altiva”, entendeu que a iniciativa causou desconforto à liderança sionista. O mesmo valia para o posicionamento do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU) contra a ocupação israelense dos territórios palestinos – que culminou com o reconhecimento do Estado da Palestina pelo Brasil em 2010. Entretanto, a “universalidade” da política externa brasileira buscaria um equilíbrio e poderia levar o país a desempenhar um papel na mediação entre palestinos e israelenses.

A conferência realizada pela Comissão da Anistia do Ministério da Justiça do Brasil, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão e a Fundação Getúlio Vargas reuniu líderes religiosos, políticos e estudantes israelenses e palestinos em São Paulo e no Rio de Janeiro, entre quinta-feira (27) e domingo (30). A ocupação israelense, aquele “elefante na sala”, foi constantemente trazida à discussão pelos palestinos e outros participantes – inclusive esta que escreve – incomodados com certa tendência de descontextualização da violência.

Na abertura do evento, o presidente da Comissão da Anistia do Ministério da Justiça, Paulo Abrão, definiu o objetivo como um aprofundamento, no Brasil, sobre a questão israelense-palestina. O ponto de partida desta ideia, disse ele, foi a conferência “O Brasil 50 anos após o Golpe Militar de 1964: A Busca pela Democracia e pela Justiça Continua”, na Universidade Hebraica de Jerusalém, em dezembro de 2014. Na ocasião, Abrão visitou Israel e a Palestina e comentou que, “apesar de viverem tão próximos, israelenses e palestinos têm pouco espaço de diálogo”. Por isso, o Brasil foi oferecido como um cenário para este diálogo.

Enquanto a diplomacia é uma porta a ser mantida aberta, a ponderação sobre as bases desse diálogo é também fundamental. Palestinos e israelenses não são atores iguais no conflito – que já é melhor descrito como uma ocupação crescentemente enraizada, de acordo com os términos do direito internacional humanitário – e a diplomacia, ao promover o diálogo, também precisa levar em conta as responsabilidades. Afinal, não acontece no vácuo e, no caso dos palestinos, há mais de 20 anos tem como cenário a destruição gradual de uma solução internacionalmente validada, aquela resumida como a “solução de dois Estados”.


Mohamed Odeh, presidente do Comitê Ibero-Americano do partido Fatah. Foto: Moara Crivelente


Durante a conferência, israelenses e palestinos, assim como pessoas da audiência, fizeram um pingue-pongue sobre a falta de confiança mútua para a construção da paz, mas os palestinos e alguns ouvintes – inclusive jovens da comunidade judaica na plateia – buscaram garantir a contextualização do “conflito”: o controle militar israelense sobre o “Estado ocupado da Palestina” – como denominou-o Mohamed Odeh -, as violações diárias e sistemáticas dos direitos humanos que sustentam esse regime, a repetição cíclica das ofensivas militares devastadoras contra a Faixa de Gaza, a construção desenfreada nas colônias ilegais – assim reconhecidas pela ONU, pela União Europeia e até pelos Estados Unidos – e o aumento da violência de soldados e colonos israelenses contra os palestinos em seus próprios territórios.

Da parte israelense, apenas Nitzan Horowitz, ex-parlamentar peloo partido social-democrata Meretz (“Vigor”, em hebraico) e membro da Associação por Direitos Civis em Israel, denominou e reconheceu a gravidade da ocupação para qualquer perspectiva de paz. Horowitz foi enfático na condenação deste regime principalmente ao abordar seus impactos econômicos e políticos, mas o rabino David Shlomo Stav, enquanto dizia abrir as portas para um diálogo religioso com sua contraparte, o xeque Barakat Fawzi Hassan, insistia na necessidade de um diálogo com os colonos e em classificar o conflito como religioso. Esta, diga-se de passagem, é uma abordagem falaciosa que negligencia a base política de um processo colonialista e imperialista, sustentado na instrumentalização da religião para a construção da sua narrativa. Uma narrativa que, também de passagem, pode acabar tornando-se “fato” no imaginário de alguns sionistas, o que não deve ser menosprezado.

Horowitz condenou o posicionamento cada vez mais extremista da liderança israelense e a falta de avanços nas negociações, denunciando uma estratégia de “gestão do conflito” para evitar a solução que a liderança sionista não aceita: o reconhecimento do Estado da Palestina. Mas suas propostas foram ponderadas firmemente por um dos estudantes palestinos encarregados dos comentários sobre o debate, Essam Qadri, um graduando em Engenharia. O estudante enfatizou sua contrariedade à perspectiva do rabino Stav sobre um aspecto “religioso” preponderante – já denunciado por diversos líderes e pesquisadores como uma falácia que condena o conflito à intratabilidade, à impossibilidade de solução – e às propostas insustentáveis, como até mesmo as apresentadas por Horowitz.

Para Qadri, mais do que iniciativas conjuntas no campo econômico, a facilitação da movimentação de trabalhadores palestinos para Israel e a distribuição igualitária dos recursos aquíferos entre as cidades palestinas e as colônias – beneficiadas de forma flagrantemente desproporcional da água roubada dos palestinos -, a solução é o reconhecimento de um Estado palestino independente, que possa criar seus próprios postos de trabalho, e o fim das colônias que, afinal, são ilegalmente construídas em territórios ocupados. O ex-parlamentar disse concordar, mas suas propostas pareciam lidar com as limitações impostas por um espectro político extremista onde suas próprias ideias superficiais e insustentáveis são já rechaçadas, onde deve convencer a sociedade – e o eleitorado – israelense de que a ocupação também lhes custa caro, que a paz poderia trazer benefícios, inclusive econômicos.

Foi frequente o apelo dos palestinos – três estudantes, um líder religioso e um representante político – para que os israelenses simplesmente os vissem como seres humanos. A humilhação imposta pelo regime de ocupação militar é constante, multidimensional e enraizada, e não deve ser ignorada como o pando de fundo de qualquer análise da violência que assola os dois povos há tantas décadas.

Os dois próximos artigos da série sobre os diálogos e o papel que o Brasil pode desempenhar tratará dos pontos de vista esboçados pelos convidados, do histórico recente e agudizado da ocupação israelense, das alternativas que se apresentam em contrariedade à manutenção do status quo e da necessidade de responsabilização como um passo essencial neste processo.

Leia também:
Israel busca ocupar a política mundial com a colonização da Palestina
Segregação e ofensivas enraízam a colonização na Palestina ocupada
ONU: Gaza continua devastada e “crianças morreram enquanto dormiam”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s