Instituto catalão avalia a relação entre bancos e a indústria militar na Espanha

O Centro Delàs de Estudos para Paz de Barcelona, na Catalunha (Espanha), publicou uma petição, nesta segunda-feira (04), para que apoiadores deem suas ações nos bancos Santander e BBVA, entre os maiores do mundo, ao representante da sua campanha “Banca Armada”. A campanha denuncia a participação dos bancos no Complexo Industrial-Militar mundial. O centro de estudos tem um largo histórico de ação contra os gastos militares não só do Estado espanhol, mas de todo o mundo, e realiza relatórios periódicos para chamar a atenção ao aumento constante desses gastos em detrimento dos gastos sociais. Em contexto de crise financeira e econômica, o centro tem intensificado suas campanhas.

Por Moara Crivelente | No Portal Vermelho

Em sua página na Internet, o Centro Delàs explica a campanha “Banca Armada”, com protestos firmes nas Reuniões Gerais de Acionistas, realizadas pelos maiores bancos espanhóis, o Santander e o BBVA.

“Nosso objetivo é o de denunciar ante aos meios de comunicação e todos os acionistas presentes [na reunião] os investimentos do Banco Santander e do BBVA na indústria armamentista”, explica, no comunicado em que pede a doação de ações para que sua presença e espaço na reunião sejam garantidos e significativos.

O BBVA participa, atualmente, com quase 2 bilhões de euros em investimentos na indústria militar espanhola, enquanto o Santander participa com mais de 1 bilhão de euros. A lista em que o Centro Delàs explora esses números conta ainda a trajetória de mais 19 bancos na indústria armamentista.

A instituição tem outras campanhas que se dedicam à denúncia dos investimentos em bombas de racimo, proibidas em 2010 pelo Tratado de Oslo, mas cuja regulamentação ainda não entrou em vigor em forma de lei na Espanha.

A proibição inclui a produção, armazenamento e a distribuição dos materiais necessários à fabricação dessas bombas, mas o centro pretende ainda combater outro aspecto de fundo: o seu financiamento. “As entidades financeiras que operam na Espanha poderiam ainda estar ajudando a produção e venda de bombas de racimo em países que não assinaram o Tratado de Oslo, o que seria inaceitável no marco do próprio tratado”, explica em sua página.

A nível mundial, o espanhol BBVA está em sétimo lugar entre os maiores investidores na indústria armamentista, e sua contribuição fica em 4 bilhões de euros a menos que o principal investidor, o Grupo francês PNB Paribas. Este grupo está presente em mais de 80 países, tem ações em uma empresa militar espanhola e faz diversos tipos de empréstimos e investimentos em vários setores da indústria bélica, somados em 5,17 bilhões de euros.

O centro dedica-se a outras campanhas contra a militarização, e presta ainda assessoria a cidadãos espanhóis que queiram fazer objeção fiscal, negando-se a contribuir, através de suas declarações ou imposto de renda, com os gastos militares do Estado espanhol.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s